quarta-feira, 9 de março de 2016

SENADO FEDERAL HOMENAGEIA O ROTARY INTERNACIONAL

O Jornal do Senado, de 29/02/2016, trouxe a seguinte notícia:
O Senado realizou sessão especial na sexta-feira (26/2) para homenagear o aniversário de 111 anos do Rotary International, uma das maiores organizações sociais e filantrópicas do mundo. A sessão também serviu para marcar o centenário da Fundação Rotária, braço financeiro da instituição, que será comemorado no ano que vem. Autor do requerimento convocando a sessão especial, José Serra (PSDB-SP) explicou que o Rotary busca estimular líderes comunitários e profissionais a ele filiados a prestar serviços à sociedade. O Rotary também incentiva o comportamento ético entre os associados e nas relações profissionais. O diretor do Rotary International no Brasil, José Ubiracy Silva, afirmou que os associados trabalham para melhorar as condições de vida da população. — A paz somente será possível quando as pessoas estiverem educadas, saudáveis e bem alimentadas. Sabemos a dimensão da mudança a que nos propomos e somos todos voluntários — disse. 
Aedes aegypti 
Segundo Silva, o principal projeto conduzido pelo Rotary, o Pólio Plus, de erradicação da paralisia infantil, existe há 31 anos e contribuiu para extinguir a forma endêmica da doença em todo o mundo. Ele disse que o Rotary brasileiro está disposto a colaborar de forma semelhante para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, da zika e da chicungunha. O Rotary International está presente em 219 países, na forma de clubes que se organizam em 540 distritos regionais. O Brasil tem 38 distritos. Vera Ribeiro, governadora do distrito que abrange Distrito Federal, Goiás e Tocantins, lembrou que a instituição é a única organização não governamental do mundo com cadeira na ONU, onde atua como observadora. — Não é à toa que estamos fazendo 111 anos. É porque temos grandes trabalhos prestados, planejamento, seriedade. O representante da Fundação Rotária, Mário Camargo, destacou que a fundação recebe doações de associados de todo o mundo e investimentos atraídos pelo Rotary, e usa esse dinheiro para financiar projetos e campanhas de erradicação de doenças, treinamento de professores, fomento ao empreendedorismo, ajuda humanitária e outros. Ele disse que a fundação não recebe muitos projetos brasileiros em busca de financiamento. Isso faz com que o dinheiro arrecadado aqui acabe revertido em benefício de outros países. Camargo pediu aos diretores dos clubes Rotary que trabalhem para multiplicar as iniciativas brasileiras. 
Capital social
José Serra ressaltou que o Rotary é “campeão mundial” de investimento em capital social e em número de voluntários. Ele afirmou que, quando foi ministro da Saúde (1998-2002), o Rotary foi um dos maiores parceiros em ações conjuntas. Cristovam Buarque (PPSDF) disse que o Rotary promove uma “globalização do bem”, que é inclusive anterior ao fenômeno da globalização econômica. Ele pediu auxílio da instituição no combate ao analfabetismo e elogiou a disposição dos associados em todos os projetos com que se envolvem. Para Hélio José (PMBDF), o modelo rotariano de governança e de captação de recursos é “reconhecido mundialmente”. O senador se disse emocionado pelo fato de que os associados realizam todos os projetos sem nunca perderem o espírito de amizade entre si: — A história da organização é inspiradora para os brasileiros nestes tempos de crise, porque ilustra a força das pessoas quando se unem por uma boa causa.

Na última reunião de nosso clube, o companheiro Agenor Casaril também mencionou que assistiu a toda a sessão, que contou com a presença de um representante do Presidente de Rotary Internacional. E sugeriu que se pudesse recuperar o vídeo para que todos possam vê-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário